Início Internacional China rejeita acusações de abusos dos direitos humanos em Xinjiang

China rejeita acusações de abusos dos direitos humanos em Xinjiang

As acusações de trabalho forçado ou detenções na região de Xinjiang são “mentiras e informações falsas, inventadas por forças anti-China”, disse o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Wang Wenbin, em conferência de imprensa.

Wang acusou os críticos de tentarem “minar a estabilidade e a segurança de Xinjiang e travar o desenvolvimento da China”.

Na segunda-feira, a organização de defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch (HRW) apelou à Comissão de Direitos Humanos da ONU para que investigue relatos sobre a detenção em massa e repressão das práticas religiosas de membros de minorias étnicas chinesas de origem muçulmana.

A HRW afirmou que os abusos constituem crimes contra a humanidade, conforme definido no tratado que instituiu o Tribunal Penal Internacional.

Mais de um milhão de pessoas foram confinadas em campos em Xinjiang, de acordo com governos e investigadores estrangeiros.

As autoridades são acusadas de impor trabalho forçado e controlos de natalidade.

Pequim rejeita as acusações e diz que os campos servem para treino profissional, visando apoiar o desenvolvimento económico e combater o radicalismo islâmico.

O governo está a pressionar marcas estrangeiras de roupa e calçado para que revertam as decisões de parar de usar algodão de Xinjiang, devido a relatos sobre trabalho forçado.

Wang acusou os meios de comunicação de agirem como “altifalantes de mentiras e desinformação”.

A China negou às Nações Unidas acesso irrestrito à região para investigar.

Wang pediu aos observadores estrangeiros que “respeitem os factos e a verdade” e “parem com a prática errada de espalhar desinformação sobre Xinjiang e de fazer declarações falsas”.