Início Internacional Médicos nigerianos em greve. Analistas receiam terceira vaga pandémica

Médicos nigerianos em greve. Analistas receiam terceira vaga pandémica

A greve, a última de uma série liderada pela Associação Nacional de Estagiários (Nard), que representa 40% dos médicos na Nigéria, “começou às 08:00 desta manhã”, segundo o presidente da organização sindical, Uyilawa Okhuaihesuyi, em declarações à agência France Presse.

O sindicato apela ainda ao Governo nigeriano para honrar a promessa de pagar uma indemnização às famílias dos médicos que morreram enquanto lutavam contra o coronavírus.

“Pedimos ao Governo que pague um seguro de vida a 19 dos nossos membros, que morreram enquanto trabalhavam na linha da frente”, afirmou Okhuaihesuyi.

Os médicos nigerianos têm vindo a ameaçar com regularidade entrar em greve, na esperança de obter das autoridades o pagamento dos respetivos salários em atraso, bem como um aumento dos recursos atribuídos aos hospitais públicos em dificuldades do país. Reclamam ainda que não existem camas, medicamentos e kits de proteção suficientes nas instalações hospitalares.

A Nigéria, um país de 200 milhões de pessoas, tinha 42.000 médicos generalistas registados em 2019, segundo a Associação Médica Nigeriana (NMA), o que resulta numa média de dois médicos para cada 10.000 habitantes.

Na altura dos primeiros casos de coronavírus no país, em março de 2020, o médico Francis Faduyile, presidente da NMA, afirmou que “entre 70% e 80% das instituições de saúde pública não tinham água corrente ou água limpa suficiente para lavar as mãos”.

As autoridades nigerianas receiam que uma greve possa desestabilizar ainda mais o sistema de saúde, que já está sob pressão da epidemia de coronavírus, numa altura em que o país necessita de vacinar a sua população.

A Nigéria regista até agora oficialmente 174.315 casos de infeção com o coronavírus e 2.149 mortes associadas à covid-19. Estes números são, no entanto, subestimados, atendendo ao baixo número de testes realizados.

Em julho, o Centro Nigeriano de Controlo de Doenças (NCDC) afirmou ter detetado a variante Delta do vírus, altamente contagiosa, o que levou as autoridades sanitárias nigerianas a antecipar uma terceira vaga da epidemia.