Início País Debandada de britânicos antes de Portugal deixar de integrar lista verde

Debandada de britânicos antes de Portugal deixar de integrar lista verde

Depois do entusiasmo com o regresso dos britânicos a Portugal, sobretudo ao Algarve, são agora milhares os turistas que regressam ao Reino Unido, depois de serem ‘apanhados’ pela decisão de retirar Portugal da lista dos países seguros para viajar.

A partir de amanhã, o país deixa de constar na lista verde do Reino Unido, passando a vigorar a quarentena obrigatória de dez dias no regresso a casa.

A par disso, qualquer pessoa que chegue de Portugal tem de realizar dois testes à Covid-19 à chegada. 

Após o anúncio da decisão britânica, na última quinta-feira, milhares de turistas interromperam as férias e rumaram a casa. Só no sábado, terão partido de Faro cerca de 10 mil turistas britânicos, de acordo com o presidente do Turismo do Algarve. 

O responsável indicou à Lusa que ter-se-á registado no sábado o pico de saídas de turistas da região.

No sábado “houve uma concentração de cerca de 10 mil passageiros britânicos para sair, mas é interessante também perceber que, no mesmo período, chegaram 2.500. Portanto, apesar das regras britânicas, ainda há britânicos a chegar ao Algarve”, sublinhou. 

João Fernandes explicou que os passageiros, “muitos deles britânicos”, se viram obrigados a “antecipar o regresso para chegar ao país antes de terça-feira” e escapar assim à obrigatoriedade de realizar uma quarentena de 10 dias e dois testes à Covid-19 nesse período devido à medida imposta pelo Governo britânico a todos os passageiros que cheguem ao Reino Unido proveniente de Portugal.

As autoridades algarvias aumentaram a capacidade de testagem à Covid-19 no aeroporto de Faro e em vários pontos da região, “sobretudo ao fim de semana”, e têm sensibilizado os turistas, tanto nas chegadas como durante as suas estadias nos hotéis, para fazerem os testes antes de rumar ao aeroporto para apanhar os voos de regresso.

A decisão britânica de excluir Portugal da lista verde de viagens foi suscitou críticas do setor turístico, que se preparava para um aumento das reservas e da procura de turistas provenientes do Reino Unido, depois de, a 17 de maio, o Governo britânico ter tomada a decisão contrária, abrindo as viagens com destino a Portugal.

Este domingo, António Costa afirmou que Portugal tem de continuar a apostar no setor do turismo, mas deve evitar ficar dependente de um só mercado, como o do Reino Unido, apostando na diversificação da oferta. 

“Esta crise [pandémica] demonstrou bem a fragilidade de alguns dos setores económicos mais robustos, mais promissores e que foram áreas de especialização natural em muitas regiões. É o caso do turismo”, disse.

E reforçou: “Isso significa que nós, cada vez mais para o futuro, não podemos depender tanto e só de um setor económico, temos de ter a capacidade de desenvolver e de ativar outros setores económicos, porque novas crises podem surgir e não podemos estar tão fragilizados perante essas crises como estivemos desta vez.”

FONTENoticias ao Minuto
Artigo anteriorONG acusa países europeus de travarem negociações sobre patentes
Próximo artigoEMA decide em julho se autoriza vacina da Moderna em adolescentes