Início País “Não temos nenhuma razão para suspender” dragagens no Sado

“Não temos nenhuma razão para suspender” dragagens no Sado

Não temos nenhuma razão para suspender uma obra que a Agência Portuguesa do Ambiente autorizou que seja realizada”, afirmou António Costa durante o debate quinzenal, na Assembleia da República, em Lisboa.

O primeiro-ministro defendeu hoje que não existe “nenhuma razão” para travar as dragagens no rio Sado, com o PAN a questionar de que lado é que o executivo se quer posicionar, se a favor ou contra o planeta.

O assunto foi levantado pelo PAN, que questionou diretamente o primeiro-ministro se estaria disponível para suspender as dragagens no estuário do Sado; no âmbito do projeto de melhoria das acessibilidades marítimas ao porto de Setúbal, que arrancam na quarta-feira.

Notando que o país “precisa de outro aeroporto” e de “valorizar a sua fachada atlântica e a sua capacidade portuária”, o chefe de Governo argumentou que essas são oportunidades às quais não é possível renunciar. Mas que devem ser levadas a cabo no quadro dos “compromissos em matéria de ação climática e, designadamente, em matéria de proteção do ambiente”.

“É por isso que as dragagens do Sado só foram feitas após um estudo de impacte ambiental; e após a emissão da declaração do impacte ambiental”, salientou.

Durante a interpelação ao primeiro-ministro, a líder parlamentar do PAN apontou que; “o Governo tem de decidir de que lado quer estar, se do lado dos que, como o PAN; querem um planeta sadio ou se, por outro lado, daqueles que têm apenas pretendido saqueá-lo; comprometendo até a sua própria existência, comprometendo aquilo que são os interesses das gerações atuais e futuras”.

“Dos dois em simultâneo é que não poderá estar certamente”, frisou Inês Sousa Real.

FONTENoticias ao Minuto
Artigo anteriorIVA automático avança para pré-preenchimento no início de 2020
Próximo artigoEUA suspendem treino de militares sauditas formados em solo americano