Início Figuras Públicas Morreu Paulo Nunes de Almeida

Morreu Paulo Nunes de Almeida

Economista tinha 60 anos.

O presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP), membro do conselho geral da CIP . Confederação Empresarial de Portugal e presidente do conselho fiscal do FC Porto, Paulo Nunes de Almeida, morreu esta quinta-feira aos 60 anos, vítima de doença.

“Nesta última homenagem, a AEP recorda Paulo Nunes de Almeida como uma figura de referência. Cujo trabalho muito contribuiu para a afirmação da imagem das empresas portuguesas. Um ser humano e um profissional que deixa uma marca no mundo empresarial português”. Lê-se numa nota divulgada pela associação empresarial.

Nunes de Almeida, que dedicou mais de três décadas da sua vida à atividade empresarial e ao associativismo. Era desde 2014 o 30.º presidente da AEP, tendo sido reeleito em 27 de junho de 2017 para um segundo mandato, que iria terminar em 2020.

Em 14 de maio passado, na noite em que a AEP festejou 170 anos, foi distinguido pelo Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa, com a Grã-Cruz da Ordem de Mérito Empresarial – Classe do Mérito Industrial.

Assim, “Reconhecido nos meios empresariais e políticos pela sua invulgar capacidade de gerar consensos

. Deixa uma marca forte no associativismo, nomeadamente em áreas fundamentais para a economia portuguesa como a internacionalização, o empreendedorismo e a formação profissional”, destaca a associação, recordando que na sua última tomada de posse afirmou: “A AEP nunca foi um peso. Antes pelo contrário, foi a vitamina que me fortaleceu e a adrenalina que me estimulou”.

Paulo Nunes de Almeida sucedeu na presidência da AEP a José António Barros, com quem trabalhou durante dois mandatos como vice-presidente.

Contudo, tendo sido também o primeiro presidente da Fundação AEP, desde o seu reconhecimento em 13 de agosto de 2010.

Assim, cargo que abandonou em abril de 2019 para dar lugar ao vice-presidente da associação, Luís Miguel Ribeiro.

FONTEcorreio da manhã
Artigo anterior‘Vice’ desmentiu Bruno de Carvalho em tribunal
Próximo artigoVibrador da Amazon esgota após critica de mulher